Turbante: Moda, Estilo e Cultura.

O turbante esta em alta entre as mulheres, mas antes de tudo precisamos avaliar sue contexto histórico, que vai além de acessório estético da mulher. Os turbantes de uma moda crescente chamada “étnica”, símbolo de luta do movimento negro e valorização da identidade afro-brasileira, faz parte da religiosidade de algumas culturas.

Algo importante de reflexão, precisamos retirar o preconceito sobre os turbantes como algo de religiões africanas, poderemos ver com sua historia que vem, além disso, é acessório cultural e de vestimenta que podemos usar em varias ocasiões. Muito além de puro modismo introduzido por alguns intelectuais veio para ficar.

Avaliar de maneira negativa, não conhecer sua real historia que muito mais de um modismo, como é caracterizado por muitas pessoas. Os indícios antigos que sua real origem surgiu do oriente médio ou na África.  No Artigo “turbante, moda e racismo” a escritora Marcia Pinna cita no livro “História Ilustrada do Vestuário”, organizado por Melissa Leventon, em diferentes épocas e por diversas etnias. Persas, anatólios, lídios, árabes, argelinos, judeus, tunisianos aparecem com turbantes, utilizados de várias maneiras, bem antes da era cristã. Na Índia, o turbante também foi amplamente usado através dos séculos. O interessante é que entre os povos antigos, o adereço era predominantemente exibido por homens.

Os indianos usam por vários significados tribo ou casta, identificar sua religião (hinduísmo ou islamismo, na África – ojá africano), sua posição social, ainda são utilizados para proteger a cabeça do clima severo do deserto. Na África, os tecidos enrolados no corpo fazem parte da cultura, e os turbantes fazem parte deste complemento com o conjunto. Tantos homens e mulheres usam para identificar as funções de sociais, religiosas e como a moda. Hoje, no indumentário da moda africana existem inúmeras amarrações para cada estilo.

A Europa também aderiu ao turbante, primeiramente entre marinheiros e navegadores. Mas, há referências ao uso de turbantes como item de moda pelas mulheres francesas já no século XVIII. Por volta de 1920, o costureiro francês Paul Poirot trouxe os turbantes de volta ao cenário fashion com muito chame as mulheres. Coco Chanel também aderiu ao acessório. A moda se popularizou no final dos anos 30, e muitas atrizes de Hollywood apareceram retratadas com glamorosos turbantes.

turbantes

No Brasil, nossa artista Carmem Miranda adotou este magnifico figurino. Nos anos 60, o turbante ressurgiu novamente como símbolo da cultura negra, nos movimentos que lutavam pelos direitos civis contra a discriminação e o preconceito. O mundo da moda recentemente voltou como tudo, nos desfiles da Prada e disseminou no ocidente com luta do Empoderamento feminino.

No Brasil, são observados números grande de mulheres que adotam o adereço por achar prático ou bonito, mas também grupos de mulheres negras que utilizam como elemento de afirmação cultural. Ter turbante demostrar alto suficiência e poder mostra a importância de ser afrodescendentes que acessório exuberante, glamorosos em qualquer ocasião, descolado e moderno.

Texto baseado das escritoras Marcia Pinna (Site de historia de hoje.com), Adriana Borges (site óbvios). Muito obrigada pelas informações técnicas.

0 Comments

Deixe um Comentário